Higiene e limpeza da ordenha: quais condições você deve assegurar?

Atualizado: Abr 23


A busca pela qualidade do leite exige muitos cuidados em todas as etapas, desde a origem até a mesa do consumidor. Apesar de muito se falar em características qualitativas em laticínios, os cuidados com a higiene na fazenda também são fundamentais.

Assim, na produção de lácteos de alta qualidade, o momento da ordenha é considerado extremamente importante na fazenda leiteira, principalmente para evitar a contaminação cruzada e manter a qualidade da matéria prima (leite).

Sendo assim, a produção leiteira requer a adoção de boas práticas de ordenha que sejam capazes de reduzir a contaminação microbiana e química e garantam a manutenção das propriedades qualitativas do leite.

Por isso, te convidamos a entender quais são as boas práticas de ordenha, que incluem boa higiene e uma ordenha adequada para garantir um leite de alta qualidade.

Sala de ordenha: o ambiente mais importante da fazenda leiteira


Seguindo a tendência mundial, os órgãos responsáveis pela segurança dos alimentos no Brasil vêm implantando normas e padrões de produção para melhorar a qualidade do leite no País. Essas normas são direcionadas aos pequenos, médios e grandes produtores rurais.

Neste cenário, a ordenha é uma das tarefas mais importantes em fazendas leiteiras, já que é o momento em que o produtor obtém o principal produto de sua atividade: o leite. Por isso, uma boa ordenha é essencial para se obter leite de maneira rápida, higiênica e sem causar casos de contaminação cruzada entre as vacas.

Mas engana-se quem imagina que a sala de ordenha precisa ser moderna e altamente tecnológica. Deve ser obrigatoriamente ventilada, além de protegida da chuva e outras intempéries. Deve também ser projetada para que facilite a dissipação de gases durante a ordenha e a secagem das instalações após os procedimentos de higienização.

Além disso, quando se trata da qualidade do leite, não há diferença entre o leite ordenhado de forma manual e o leite ordenhado de forma mecânica, desde que o manejo seja feito com higiene e que todas as boas práticas sejam devidamente seguidas.


Higiene da sala de ordenha: alguns pontos merecem atenção


Para garantir a máxima qualidade do leite, são protagonistas a sala de ordenha, os locais em que os animais ficam e o leite.

A sala de ordenha deve estar sempre limpa e livre de resíduos, com limpeza adequada de botas, equipamentos diversos e descarte correto de materiais de consumo (toalhas de papel, luvas, seringas, agulhas, embalagens, etc.).

Os locais de produção de leite não devem conter substâncias nocivas que possam afetar a qualidade do produto. Além disso, para garantir maior higiene, o leite deve ser protegido contra excrementos, secreções ou resíduos de origem animal.

Outra recomendação importante é não realizar a produção do leite em lugares onde a água apresenta baixa qualidade e que constitua risco à saúde do consumidor. Além disso, superfícies de contato com o leite devem ser sanitizadas conforme as recomendações nacionais.

Os equipamentos e utensílios utilizados na ordenha devem ser mantidos distantes do piso para não haver sujidades, contato com animais/insetos e excesso de umidade. Dessa forma, evita-se a contaminação e garantindo boa conservação.

Para a limpeza do conjunto de ordenha e das instalações, há a exigência de uso de detergentes apropriados, procedendo com detergente alcalino clorado de uso diário. Deve-se também considerar a faixa de temperatura ideal de 43°C a 77°C. Para o detergente ácido, a água pode ser fria ou levemente aquecida (35°C – 43°C).



Priorize as boas práticas de ordenha e evite a contaminação do leite


A adoção das boas práticas de ordenha é outro ponto essencial, principalmente para evitar a contaminação cruzada. Inicialmente deve-se considerar o histórico de mastite das vacas e volumes de produção que elas apresentam.

Para isso, deve ser priorizada a seguinte sequência:

1- Animais de primeira cria saudáveis;7

2- Demais animais saudáveis;

3- Animais em terço final de lactação;

4- Animais mais velhos;

5- Animais com mastite subclínica;

6- Animais em tratamento (responsivo);

7- Animais com mastite clínica.

Já o procedimento de ordenha deve seguir uma sequência, que se inicia com a entrada da vaca na sala de ordenha e vai até o resfriamento do leite recém coletado. Essa sequência engloba:

1- Teste da caneca de fundo escuro e teste CMT;

2- Lavagem dos tetos (caso necessário);

3- Pré-dipping;

4- Secagem do teto com o uso de tolha de papel;

5- Colocação das teteiras e processo de ordenha;

6- Pós-dipping;

7- Oferecer alimento aos animais após a ordenha;

8- Coar/filtrar e resfriar o leite o mais rápido possível;

9- Iniciar imediatamente a limpeza e desinfecção da sala de ordenha e de seus equipamentos;

Por fim, o treinamento constante dos colaboradores é outro ponto fundamental para garantir a qualidade do leite.

Os colaboradores devem receber treinamentos constantes sobre todos os procedimentos de higiene, protocolos de boas práticas e orientação sobre medidas profiláticas de controle de contaminações. Para saber mais sobre as boas práticas de ordenha, confira nosso e-book exclusivo e completo sobre o trema!

373 visualizações1 comentário