Instituto BioSistêmico inicia o Projeto Cooplaf Leite no Mato Grosso do Sul


O casal de produtores Laura e Gustavo Pinholati durante primeiro atendimento do IBS.


As primeiras ações do Projeto Cooplaf Leite foram realizadas pelas equipes do Instituto BioSistêmico (IBS) a partir do mês de fevereiro. O projeto foi concebido pelo IBS com o objetivo principal de promover o desenvolvimento da pecuária leiteira junto aos cooperados da Cooperativa Agrícola Mista da Pecuária de Corte e Leiteira e da Agricultura Familiar (Cooplaf), entidade com sede no município de Terenos, no estado de Mato Grosso do Sul, na região Centro-Oeste do Brasil.


A iniciativa conta com apoio de recursos da Fundação Zoetis e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do estado do Mato Grosso do Sul. Também é contemplado com o apoio institucional e acadêmico da Unimar – Universidade de Marília.


Esse é mais um projeto de pecuária executado pelo Instituto BioSistêmico que usa a metodologia CheckMilk, que conta com a plataforma com sistema de gestão e aplicativo para as equipes técnicas e para os produtores. O sistema facilita a gestão do projeto e o aplicativo auxilia o produtor no dia a dia, como um suporte, uma extensão da consultoria do IBS que pode ser acessada a qualquer hora na palma da mão.


Nas primeiras ações do Projeto Cooplaf Leite, foram realizadas reuniões de sensibilização para seleção das propriedades a serem atendidas. No total, 100 propriedades do município de Terenos e alguns municípios vizinhos estão sendo beneficiadas pelo projeto. Além das sensibilizações, as equipes do Instituto BioSistêmico realizaram o diagnóstico zootécnico das propriedades.


“Nesta etapa, fizemos o levantamento dos dados produtivos das propriedades, receitas, despesas, planos de médio e longo prazo. Com essas informações, elaboramos um plano de ação para a implementar as melhorias identificadas como necessárias na propriedade”, explica o zootecnista Luís Henrichsen, diretor do Instituto BioSistêmico e coordenador do Projeto Cooplaf Leite.


Henrichsen acrescenta que para a execução do projeto se dá por meio de um conjunto de atividades e recursos de atendimento tecnológico, estruturados e modulados para o desenvolvimento e adequação do processo produtivo, para melhoria da qualidade e da produtividade leiteira.


“Visamos alcançar esses objetivos por meio de ações satélites que se desenvolvem em torno de cinco eixos estratégicos que interagem e integram os elos do processo de produção de leite”, destaca Luís Henrichsen. Os cinco eixos mencionados pelo diretor do IBS são manejo reprodutivo, manejo sanitário, manejo nutricional, gestão zootécnica e boas práticas.


Os atendimentos do Projeto Cooplaf Leite são realizados por equipe multidisciplinar de consultores do IBS, formada por administradores, engenheiros agrônomos, médicos veterinários e zootecnistas.

10 visualizações0 comentário