top of page

Instituto BioSistêmico inicia projeto Leite Seridó no Rio Grande do Norte

O projeto, que conta com recursos da Fundação Zoetis e do Sebrae, usa a metodologia CheckMilk para desenvolver a pecuária leiteira na região do Seridó.





O Instituto BioSistêmico (IBS) deu início ao projeto Leite Seridó com apoio de recursos da Fundação Zoetis e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do estado do Rio Grande do Norte.


Concebido pelo IBS, o projeto busca promover o desenvolvimento da pecuária leiteira junto aos produtores da região do Seridó no estado do Rio Grande do Norte, região Nordeste do Brasil.


No mês de abril, o IBS e o Sebrae/RN realizaram uma primeira reunião de sensibilização dos produtores, no Sindicato Rural de Serra Negra do Norte. Na ocasião, o diretor do IBS, Luís Henrichsen, e o consultor do IBS, Matheus Henrique Magalhães, apresentaram o projeto, detalhando a programação de atendimentos, as tecnologias e a metodologia aplicadas.


“Estamos muito satisfeitos em iniciar mais um projeto em parceria com a Fundação Zoetis e com o Sebrae/RN. Nossa expectativa é promover a qualificação dos produtores da região do Seridó para que possam produzir mais, com qualidade e sustentabilidade”, destaca o diretor Luís Henrichsen.


Como funciona o projeto Leite Seridó


O projeto propõe um conjunto de atividades e recursos de assistência tecnológica, estruturados e modulados para o desenvolvimento e adequação do processo produtivo, melhoria da qualidade, sanidade e produtividade do leite.


As unidades Vaca Móvel (qualidade do leite e sanidade animal) e o Rufião Móvel (manejo reprodutivo) estão entre as tecnologias aplicadas. Os atendimentos são orientados em quatro eixos temáticos voltados à melhoria do processo produtivo: boas práticas, manejo reprodutivo, manejo nutricional e manejo sanitário.


“Utilizamos a metodologia CheckMilk que conta com uma plataforma com sistema de gestão e aplicativo para as equipes técnicas e para os produtores”, destaca o consultor Matheus Henrique, responsável pela coordenação técnica do CheckMilk.


O sistema facilita a gestão do projeto e o aplicativo auxilia o produtor no dia a dia, como um suporte, uma extensão da consultoria do IBS que pode ser acessada a qualquer hora na palma da mão.


Meta de 100 propriedades atendidas


Inicialmente, o projeto atende produtores de leite nos municípios de Serra Negra do Norte Timbaúba dos Batistas, por meio das seguintes organizações: Associação dos Produtores Rurais de Curral Queimado, Associação dos Agricultores Familiares de Frutuoso, Conselho de Desenvolvimento Comunitário Lagoa da Serra e Associação de Desenvolvimento Comunitário Pitombeira Serra Negra do Norte.


A meta é chegar a 100 propriedades atendidas na região do Seridó. A equipe do Instituto BioSistêmico segue realizando a mobilização dos produtores. A cada nova adesão ao projeto, é feito o diagnóstico de boas práticas a partir da plataforma CheckMilk com emissão de um plano de melhorias para a propriedade.


Durante o mês de junho, foram realizadas as primeiras rodadas de atendimentos de manejo reprodutivo, manejo nutricional e manejo sanitários dos rebanhos.



bottom of page