Por que é importante promover conforto ao rebanho leiteiro?


Quem vê uma vaca no pasto ou no estábulo, ruminando, descansada e confortável, nem imagina o quanto elas são extremamente sensíveis às variações climáticas, com grande influência sobre a produtividade. Por isso, o conforto animal é uma preocupação constante de produtores que visam alcançar melhores indicadores na produção de leite.

O conforto animal está diretamente ligado ao conceito de bem-estar animal. Garante que todos os animais, em todas as fases da vida, estejam em um ambiente agradável e com conforto térmico, permitindo que todo o potencial genético seja alcançado e garantindo melhorias na produção.

Sendo assim, todas as instalações devem ser bem dimensionadas. O manejo deve ser adequado garantindo que os animais possam produzir mais e melhor.

Estresse térmico: um dos pontos de atenção que afetam o conforto de vacas leiteiras


Grande parte do Brasil está sob o clima tropical. Em razão disso, o estresse térmico representa um dos principais problemas relacionado ao conforto animal na pecuária leiteira no país.

Os impactos disso estão relacionados à redução na eficiência reprodutiva dos animais. Geram ainda distúrbios metabólicos que aumentam as chances de o animal adoecer, devido à menor eficiência do sistema de defesa.

Mas a consequência mais séria do estresse térmico é a redução no consumo de alimentos, que é uma estratégia do animal para diminuir o metabolismo basal e manter a temperatura constante. Isso provoca a redução na produção e nos constituintes do leite, causando prejuízos econômicos aos produtores.

Alguns pesquisadores relatam que a vaca produz maior volume de leite quando se encontra deitada e descansando, condições que são afetadas pelo estresse térmico.

Como melhorar o conforto animal na atividade leiteira?


Existem várias maneiras de fornecer maior conforto animal na atividade leiteira. Certamente, há variações com diferentes níveis de investimento, mas o retorno técnico e principalmente econômico é certo.

Algumas estratégias são mais simples, como plantio de árvores nas pastagens e áreas de descanso das vacas e instalação de sombrites (como forma temporária até obter sombra das árvores), mas que funcionam muito bem.

Outras medidas demandam maiores investimentos por parte do produtor, mas garantem melhores resultados. São medidas como aspersão e ventilação na linha de cocho, resfriamento de vacas na sala de pré-ordenha e até mesmo o confinamento total (free stall ou compost barn), no qual todas as variáveis são controladas.

Já as instalações para manejo das vacas leiteiras devem proporcionar uma taxa de lotação adequada com disponibilidade mínima de 8 m² por vaca.

Neste cenário, o produtor deve se preocupar com:

· Ajuste das taxas de lotação e/ou suplementação alimentar que irão garantir adequado fornecimento de água, alimentos e forragem;

· Considerar o número de animais e suas necessidades fisiológicas;

· Considerar a qualidade nutricional dos alimentos.

Já o curral de espera deve estar conectado ao estábulo por meio dos corredores de trânsito dos animais que devem ser largos, entre 1,2 a 2,4m, para facilitar o trânsito em grupos e reduzir o estresse. É recomendada uma área de 2,0 a 2,5m² por vaca no curral de espera.

Vacas em pré-parto devem ser manejadas em piquetes apropriados e exclusivos. Para isso, há a recomendação de utilizar pastos exclusivos. Isso facilita a implementação de uma rotina de acompanhamento dos partos e o manejo de vacas e bezerros ao nascimento.

Dicas extras que reduzem o estresse térmico de vacas leiteiras


Como visto anteriormente, o conforto térmico proporciona um melhor funcionamento das funções vitais do animal. Ao priorizar isso, as vacas ficam menos estressadas, alimentam-se melhor, digerem bem os alimentos e produzem mais.

Dessa forma, algumas medidas extras podem ser adotadas na fazenda leiteira com o intuito de diminuir o estresse e aumentar o bem-estar do animal:

· Disponibilizar água suficiente para os animais beberem, principalmente após a ordenha e nas horas mais quentes do dia;

· Sombreamento adequado para os animais;

· Reduzir distâncias de deslocamento do animal;

· Manter as vacas durante o menor tempo possível na sala de espera;

· Melhorar o ambiente de descanso das vacas, inclusive com a oferta de uma instalação coberta com ventiladores e aspersores e que tenham um pé direito alto;

· Evitar a lida (vacinação, pesagem, inseminação, controle de parasitas, entre outros) nos momentos mais quentes do dia, pois o calor e aglomeração dos animais piora o estresse térmico.

Também é importante ter um veterinário à disposição dos animais. Ele será o responsável pelo monitoramento contínuo das vacas, impedindo que qualquer fator estressante afete a produtividade.

Com estas dicas, os animais da sua propriedade terão a produtividade elevada por conta do ambiente mais adequado e confortável aos animais do rebanho.

Você quer aprender mais sobre o conforto de animais na atividade leiteira? Então confira nosso e-book exclusivo sobre o tema

50 visualizações1 comentário