A plataforma CheckMilk leva qualificação para milhares de propriedades leiteiras pelo Brasil

Atualizado: Ago 10

A ferramenta do IBS auxilia na condução de ações técnicas de campo, gestão e acompanhamento de fornecedores de leite

Dois anos após ter sido lançado pelo Instituto BioSistêmico (IBS) como uma spin-off, o CheckMilk está consolidado e abrange cerca de 10.000 propriedades leiteiras em todo o Brasil. É uma plataforma digital concebida para suprir o mercado da indústria láctea com ferramentas e soluções para implementação do Plano de Qualificação de Fornecedores de Leite (PQFL) do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA).

Atualmente, o CheckMilk está presente nos Estados do Mato Grosso do Sul, Paraná, Rondônia e São Paulo. São atendidos 10 laticínios, 3 cooperativas e 3 projetos de assistência rural voltados às boas práticas de produção de leite.

O laticínio Da Fazenda, localizado no município de Lutécia-SP, é uma das empresas atendidas pelo IBS no CheckMilk. De acordo com Ana Carolina Silva, responsável pela qualidade do leite no laticínio Da Fazenda, o CheckMilk vem realizando um suporte fundamental para o cumprimento do PQFL, com a capacitação e qualificação dos fornecedores de leite.

“Esperamos que a qualidade do leite melhore cada dia mais, pois é essencial para os processos de fabricação no laticínio. Além disso, esperamos que os produtores acolham essa parceria como algo bom para eles, um suporte que vem para orientá-los nos pontos que precisam ser ajustados para que a produção esteja nos parâmetros exigidos pelo MAPA”, destaca Ana Carolina.

Além de auxiliar os laticínios e cooperativas de leite em toda elaboração, execução e prestação de contas do PQFL, previsto na I.N. 77/2018 do MAPA, a plataforma do IBS realiza a gestão de toda a equipe técnica de campo. A gestão é feita por meio do aplicativo que centraliza todas as competências das atividades técnicas, desde a propriedade até o laticínio.

“Nestes dois anos de atuação, o CheckMilk possibilitou, aos nossos clientes e parceiros, transparência, agilidade e acertos nas tomadas de decisão, no que diz respeito à gestão estratégica de fornecedores, equipe técnica de campo e obrigações legais junto ao MAPA”, afirma Matheus Silva, coordenador técnico do CheckMilk.

Atendimento remoto foi ampliado durante a pandemia de Covid-19


Por conta da pandemia de Covid-19, as ações técnicas de campo sofreram impacto pela suspenção das atividades presenciais por um tempo. Neste período, a possibilidade de atendimento remoto foi amplamente explorada pela equipe do CheckMilk.



“Temos dentro da ferramenta a possibilidade de registro e acompanhamento dos atendimentos remotos. Compartilhamos também materiais técnicos e de educação continuada para os fornecedores de leite”, explica Matheus Silva.

Segundo ele, as ações técnicas despertaram o interesse dos produtores em se capacitarem de forma interativa, quebrando o paradigma de que os atendimentos técnicos teriam que ser sempre presenciais. “Essa interação com os dispositivos móveis dinamizou o processo de assistência no campo e otimizou o tempo dos técnicos”, complementa.


Sistema em constante evolução para atender as demandas dos usuários


Para Luís Henrichsen, diretor corporativo do IBS, o CheckMilk teve um crescimento expressivo nos dois anos de existência e está em constante evolução. “Tornou-se uma robusta ferramenta de auxílio na condução de ações técnicas de campo, gestão e acompanhamento de fornecedores de leite”, pontua.

O diretor do IBS acrescenta que o retorno dos clientes e parceiros do Checkmilk, com dúvidas, sugestões e até mesmo críticas, é o que conduz as melhorias dentro do sistema. A equipe de Teconologia da Informação do IBS, que desenvolveu o sistema, está sempre atenta às demandas que surgem dos usuários e que sinalizam possibilidades de aperfeiçoamento.

“Estamos inserindo novas funcionalidades para tornar a ferramenta cada vez mais aplicável nas empresas envolvidas com a cadeia produtiva leiteira. Seguiremos por esse caminho para tornar a assistência a campo presente num número cada vez maior de propriedades leiteiras no Brasil e em outros países”, adianta Luís Henrichsen. Para saber mais detalhes sobre a plataforma CheckMilk, clique aqui!

178 visualizações0 comentário